Vigilância eletrônica: saiba como evitar possíveis falhas com o sistema

Vigilância eletrônica - como evitar falhas - Foto de Pok Rie no Pexels

Hoje, no Brasil, milhares de pessoas contam com sistemas de vigilância eletrônica para garantir a segurança de sua casa ou loja. Os benefícios e as facilidades, é claro, são muitos – e já falamos de vários deles em nosso site. Mas, assim como em qualquer sistema, é imprescindível ficar atento aos detalhes e ao que pode comprometer a eficiência de um sistema de videomonitoramento. No post de hoje, vamos aprofundar nesse assunto e trazer dicas valiosas para você avaliar e garantir toda a segurança para a sua rotina. Vamos lá! 

As 7 falhas mais comuns de sistemas de vigilância eletrônica

1.   A câmera não ser corretamente posicionada

Embora pareça óbvio, isso acontece mais do que o normal. Na Cidade Mais Segura, por exemplo, é feito um estudo minucioso antes de instalar todas as câmeras. Isso porque a posição deve ser estrategicamente escolhida, garantindo um alcance efetivo para o que o cliente procura. Então nada de deixar que instalem a câmera de qualquer jeito, combinado? Caso esteja acompanhando o serviço, faça questão de entender o motivo do posicionamento de cada câmera com o responsável pela instalação. 

2. Armazenamento vulnerável

Os sistemas tradicionais de videomonitoramento costumam armazenar as imagens e gravações em HDs físicos. O grande problema desse formato é que isso torna o sistema vulnerável: exatamente por ser físico, o HD tem grandes chances de ter algum problema técnico e perder tudo, além do perigo de roubos e acidentes. No caso da Cidade Mais Segura, por exemplo, o armazenamento acontece 100% em nuvem e, portanto, tudo que é gravado fica seguro – sem chance de perder dados e informações! 

3. Sistema de instalação padrão 

Assim como qualquer outro serviço, o sistema de vigilância eletrônica deve ser pensado e preparado exatamente para a sua demanda. Há empresas que contam com um modelo padrão – e o padrão, é claro, não funciona perfeitamente para todos os casos. É por isso que ter uma consultoria específica na sua casa, empresa, vizinhança ou condomínio é imprescindível para garantir que todo o sistema foi planejado exatamente para atender às necessidades do local. Não deixe isso passar despercebido, hein? 

4. Só você tem acesso às câmeras

É claro que as câmeras não devem ser acessadas por qualquer pessoa, né? Mas também é um mito pensar que só você pode ver as gravações! Aliás, você já ouviu falar em vigilância colaborativa ou segurança compartilhada? Esse conceito permite que um grupo de moradores contratem o mesmo sistema, diminuindo custos e aumentando a segurança. Pense, por exemplo, todos os moradores da sua rua contratando um serviço. Se todos têm acesso a uma plataforma com as gravações das imagens das ruas e um mosaico de câmeras, a sensação de segurança é bem maior, certo? Quanto mais gente acompanhando, melhor! Esse é o caso da plataforma Cidade Mais Segura, em que é possível que um grupo (como uma vizinhança) contrate o serviço e cada um tem um login e senha para acesso à plataforma. 

5. Não fazer manutenção dos equipamentos

É imprescindível que todo e qualquer equipamento que componha um sistema de videomonitoramento passe por manutenções preventivas periódicas. Isso garante seu funcionamento efetivo e, sobretudo, evita problemas que podem surgir no longo prazo. A falta dessa manutenção, é claro, pode acabar custando muito mais caro, além de não cumprir o objetivo principal, que é trazer segurança para a sua casa ou empresa. 

6. Não focar em áreas externas 

Garantir a segurança de uma casa, vizinhança, bairro ou região envolve também ficar atento no que acontece no entorno. Infelizmente, ainda hoje, há muitas empresas que não pensam nisso – e aí, é claro, está uma grande vulnerabilidade. Mapear as áreas de risco próximas e garantir a captação de imagens do que está no entorno faz uma diferença significativa na eficiência do sistema. Isso permite que ações preventivas sejam planejadas, além de contribuir também com a segurança pública. 

7. Limitação no acesso ao sistema de segurança

Nem sempre você vai estar em casa ou na empresa em que o sistema de vigilância eletrônico está instalado, certo? Portanto, é fundamental que você conte com uma plataforma que te permita o acesso a partir de qualquer dispositivo e de qualquer lugar do mundo. A plataforma da Cidade Mais Segura pode ser acessada pelos usuários a partir de um celular, desktop, notebook e tablet – de qualquer lugar. 

Acha que já está pronto para avaliar a efetividade de um sistema de vigilância e para a sua casa ou empresa? Conheça agora mesmo todas as facilidades da plataforma da Cidade Mais Segura e viva com tranquilidade. 

Outros posts que pode te ajudar…

Afinal, qual a melhor posição para instalar câmeras de segurança?

Recursos para que nos sintamos cada vez mais seguros – seja em casa, no trabalho ou no condomínio – existem aos montes por aí. Contudo, saber quais são realmente eficazes (e sobretudo adequados) para a realidade de cada um é o maior desafio. E isso, claro, envolve o...

Afinal, o controle de acesso é realmente importante?

Entre as várias ferramentas disponíveis no mercado e nos sistemas de segurança que são comercializados atualmente, está o controle de acesso. Mesmo que você não saiba detalhes sobre ele, muito provavelmente já ouviu falar! Hoje, vamos aprofundar neste tema e explicar...

0 comentários